segunda-feira, 28 de dezembro de 2015

QUERIDO ANJO VELHO...




Quero aqui pontuar-lhe algumas considerações

Deste ano bom que se termina e que recomeça

Ano querido, velho amigo, agradeço-lhe as lições

Sei que foram precisas, a evolução teve pressa



Os obstáculos existem, e são para o nosso bem

Se são difíceis, sei que maior é o mérito também

Pois aprendi com eles q' não se pode ficar inerte

Nem desistir nem pensar q' sozinho se concerte



Sei que a lição é bem vinda a cada dia que nasce

Como a flor ao raiar do sol depois da tempestade

Sempre haverá os percalços, mas são necessários



Das idas e vindas da evolução, é a alma q' se renasce 

D' um céu guardado pelo veredito, o sopro da verdade

Hoje vejo os anos se igualarem a Anjos Missionários...


Simone Medeiros

26/12/2015

Ilustração: Google



INSPIRAÇÃO




Sentada a beira de meus pensamentos 

Observo sob a luz do raciocínio poético 

Os meus líricos versos ganhando alentos 

Da inspiração, desenvolvo estilo eclético 


A inspiração é algo maravilhoso e vital 

Torna-se ao poeta o seu agasalho leal 

Aquece-o em noites frias, o seu interno 

Revela-se na poesia o lado doce e terno 


Tentando expressar-se ao mundo o grito 

De alerta a todos que leiam seus escritos 

Do poeta que escreve e liberta seus mitos 


Mal sabem os leitores o quão salutar é o rito 

Praticá-lo na poesia absolvendo os conflitos 

É inspirar-se nos versos todos os vereditos 



Simone Medeiros 
27/12/2015 
Ilustração: Google



quinta-feira, 22 de outubro de 2015

SE EU FOSSE VOCÊ



SE EU FOSSE VOCÊ

Se eu fosse você tomaria o cuidado
De seguir certo o caminho do bem praticado
Ainda não é o dos homens daqui de cima, eles são tolos
Metem as mãos pelos pés e na cabeça brotam rolos

Tudo por aqui costumam acabar em pizzas
Por assim dizer, segue cada um em seu galho
No dia D, alguns vestem suas faces postiças
Sorriso nos lábios e nas mãos as cartas do baralho

Oh! Se eu fosse você ainda ficaria por aí um bom tempo
Nessa de evoluir ser homem e seguir caminhando
Há muito o que se aprender até virar um passatempo

Um daqueles que só trás alegrias pois, de tristezas, 
O povo daqui de cima tá cansado e só resta ficar sonhando
Com o dia em que tudo por aqui mude nestas redondezas...

Simone Medeiros
11/10/2015
Ilustração: Simone Medeiros

sexta-feira, 9 de outubro de 2015

ÚNICA...


Sem fingimento nem mentiras nem tramas
Desnecessário se faz fluir o artifício audaz
Tua beleza é algo que de longe me seduz 
És única em cada espécie, és meu recanto 

Silêncio que berra na natureza o seu encanto 
Quando na primavera és rainha, puro decanto 
Rara beleza, cores e texturas energiza a alma 
Poderosa magia que de suas pétalas espalma 

Orquídea, és teu nome singelo, porém belo 
Traduz aos olhos de muitos a mais querida 
Provocando e despertando contradição, duelo

Não importa o quanto dizem, sei que és especial 
Iguais a ti há tantas mas és tu a minha preferida 
Energiza minh'alma, literal, és para mim vital... 


Simone Medeiros 
10/09/2015 
Fotografia: Simone Medeiros 

COM E SEM VOCÊ...




Sem você sou um ponto sem exclamação
Derramo meus versos sentido contramão
Recebo-os sem nada querendo ter você
Do meu lado sinto a distância como clichê

Com você eu seria a mais feliz, com certeza
Não haveria tanta rebeldia tentando ser tua
E a saudade deixaria para sempre a tristeza
Seríamos um só enredo, um poema que atua

Na pele o desejo tão esperado entre você e eu
Na boca, os beijos amornados e aguardados
Selados por uma paixão que no peito é infinita

Nem a distância amenizou o amor que se viveu
Nem o tempo pôde se rebelar aos gritos calados
Ainda temos na vida e coração o amor que habita

Simone Medeiros
08/10/2015
Ilustração: Google

quarta-feira, 7 de outubro de 2015

QUE GOSTO TEM?



Gosto de te quero mais... com gelo e limão 
Gotas do gozo proibido escorrem-me da tez 
Sensação que induz ao caminho d' perdição 
Na pele, as marcas denunciando a insensatez 


Limão gelo e mais você na contramão, 
Tudo na mesma proporção sem tirar-lhe a mão 
Deslizante tatuagem impregno meu suor ao teu 
Faço-te mulher e, em meus braços, sou o teu Orfeu 


Degusto-te na tua pele macia o gosto de fantasias 
Deslizo mãos atrevidas explorando teus aromas 
Faço-te a mulher mais feliz, te dou o céu em poesias 


Rego a tua pele com gelo e limão, jogos de sedução 
Na cama, somos dois corpos em chamas, axiomas 
Na pele, a sedução toma conta, é poesia e paixão... 


Simone Medeiros 
07/10/2015 
Ilustração: Google


SOB TEU OLHAR MATREIRO...




Faço-te poemas, atiço o desatino 
Rimo saudades com a tua vontade 
Dobro a esquina certa do destino 
Pairo sob tuas ondas da verdade 

Navego silente no seu corpo tentação 
Deixo-me flutuar nas ondas da sedução 
Não quero esquecer esse momento 
À noite enluarada como complemento 

Nosso amor sendo versado neste soneto 
Onde eu aqui perante este céu, eu prometo 
Amar-te-ei plenamente, ser-te-ei fiel, 'amore mio' 

Que dure enquanto brilhe essa louca paixão 
À luz da Lua, fantasias que atiçam o coração 
Na pele a química prova e, provo, gosto...e delicio... 

Simone Medeiros 
06/10/2015 
Ilustração: Google


PERDÃO


"Perdoar"... 
Porque é tão fácil de se pronunciar 
E tão difícil de se praticar? 
Porque é tão fácil aconselhá-lo 
Do que simplesmente tomarmos como lição? 
Fácil para os outros dizerem... 
Difícil para nós acatarmos. 
Perdoar vai muito além do que esquecer 
Perdoar é retirar do peito toda a mágoa 
Retirar de vez aquela casca grotesca 
Que tapa a ferida temporariamente 
Mas ao menor arranhão, lá está ela à mostra... 
As mágoas escondidas que dói e ainda machuca 
Quando se lembra do fato, relatos ao vento 
Pessoas que passam o mesmo tormento 
Tornamos eleitores do maestro que rege nossas vidas 
Com marcas marcadas, cicatrizes profundas 



Perdão... é preciso sim, perdoar. 
Mas, a quem primeiro vale o ato? 
Nós, por que fomos falhos nos atos e palavras, 
Ou devemos perdoar ao outro pelo troco malgrado? 
E o que pensar quando se diz a si mesmo: "Eu perdoo fulano"... 
Não. Você não perdoa cem porcento.. 
Consegue ficar amigos sem rancor? 
Consegues ter em sua casa o amigo traidor? 
Consegues tê-la como amiga, a mulher que te arruinou? 
Consegues tê-lo como amigo, o homem que te humilhou? 
Consegues desejar-lhes o bem, quando este o feriu? 
Não. Não sabemos perdoar. 
Não aprendemos ainda a perdoar. 
Dizemos da boca para fora. É mais cômodo. 
Vamos encarar! 
Não adianta ler, ouvir, 
Nem tampouco, estudar sobre a lição do perdão! 
Se nem ao menos, aprendemos a amar simplesmente, 
O nosso irmão que carece do pouco, que vive largado 


Nas ruas, nas sarjetas, chorando por um bocado de gorjetas! 
Não aprendemos a perdoar coisas banais, cotidianas. 
Gritamos desvairados nos trânsitos caóticos. 
Encolerizamos por tão pouco e ainda dissemos que perante o Cristo, somos todos irmãos... 

Ironia do destino, hipocrisia de uma sociedade careta e selvagem. 
Somos simples gavetas ambulantes guardando tudo na mente, 
Somos bois ruminantes que enojamos a Língua Portuguesa. 
Somos escravos inconscientes, delinquentes da matéria apodrecida. 
Do orgulho ao amor ferido, do egoísmo, 
Da ganância ao poder absoluto, que não perdoa ninguém. 
Somos pais do amor próprio que ganha na frente em disparada, 
Atropelando e distorcendo tudo o que sai e entram ao coração 
Sem ver ao menos a chance de reconciliar com o inimigo, 
Que pelos desígnios de Deus, Ele diz ser teu irmão. 
Não percebes que o destino é correto e sempre deixa à nossa mão 


As oportunidades a baterem à nossa porta, como um chamado à remissão? 
Somos surdos nestas horas, ah,.. e como somos! 
Não temos a noção d' extensão da grande lição ao perdão, 
Fechamos em copas, a sete chaves, e jogamos as chaves fora. 
Destruímos de vez toda boa ação, somos inúteis ao perdoar. 
E aí, o que nos resta é repetir o "tudo", outra vez... 
Aqui na Terra é assim, sempre é lição, é escola de vidas e para a vida 
Somos nós, aluno repetentes tomando juízo, retomando a lição. 
Livre arbítrio que nos concede a escolha exposta, a contra-proposta 
De tentar tudo outra vez, mas com a certeza de fazer direito, desta vez. 
E descobrir que é chegado o tempo, o acerto de contas, afinal de contas, 
Entre eu, você, e os "outros", somos espiritualmente, uma grande família. 


E estamos aqui hoje e agora para aprender uma grande lição: 
Conceder o P E R D Ã O de vez aos inimigos, reconciliarmos 
E amá-los como a nós mesmos, como gostaríamos que assim o fosse. 
Será hoje possível o sucesso desta nobre lição? 
Eis que o tempo é a cura que abençoa e doam oportunidades a cada amanhecer, 
Chamando teus filhos à luta a subir mais um degrau 
Na escala da nossa vida terrena, a tão sonhada, 
E V O L U Ç Ã O.

Simone Medeiros 
Ilustração: Google


PARECE... MAS, NÃO É!



Teu sorriso nos lábios desenha-te o intento
Intento velado sacramentado nos poemas
De origem duvidosa, intuição soa o fingimento
Alarme estridente cria na mente as algemas

Coração angustiado, atormentado pelas noites
Acorrentado às tuas exigências pueris sem valor
Mas com total pudor sentiu na pele a nobre flor
Tempestivamente sangrou a pobrezinha em açoites

Dilacerou-se a pequenina flor em pétalas, o desamor
Restaram-se apenas alguns botões e folhas...
Flor bela! Tão jovem e já trás no íntimo a sabedoria

Pois, sabe surpreender com a vida a lição do amor
Que a tempestade parece ser forte, mas se tem escolhas
Sobrepujar as dificuldades c' amor é ser livre, eis a magia.

Simone Medeiros
07/10/2015
Ilustração: Google

terça-feira, 6 de outubro de 2015

DO QUE VOCÊ PRECISA?



Eu preciso ter mais e.d.u.c.a.ç.ã.o
Pois me falta entender o abecedário
Não sei mais o que entender sobre ser solidário
Há neste mundo mais o saber egoísta e mercenário
Pôde isso fazer parte do seu coração?

Do que você precisa?
Eu preciso saber ler nas entrelinhas
Porque nem sempre entendi o que se esconde nas tuas rimas
As palavras "eu te amo" tem pra você significados contrários
Um amor que se revela somente atrás dos teus armários

Esconde-se de seus podres poderes, brios e pesadelos
Torce-os deixando-os respingar caindo sobre a terra o seu orgulho
Lágrimas eu te dou em troca de suas palavras em duelos
Troca de gentilezas, faço-lhe do seu entendimento, um embrulho
Guardo-o em uma das gavetas de baixo do seu nefasto véu
Sapiência é saber relevar toda matéria podre sob este mesmo céu

O qual é preciso tanto na pele sentir para aprender a perdoar e esquecer
De que quem mais precisa do aprender requer por dentro ser
Mais humilde, mais compreensivo tanto quanto és para consigo
Para que tudo o que faças a quem amas não volte pra si como castigo
Pare de olhar para si mesmo e para seu impávido umbigo
Faça de teu caminhar uma trilha leve que te leve direto a um abrigo

Veja ao seu redor, do que mais você precisa?!
Preciso de um amor sadio pois meu coração está petrificado
Um amor doentio o destruiu e ruiu todo um castelo de um amor bandido
Restaram-me apenas algumas lembranças do amor antigo
Vinho tinto que envelhece no tonel do tempo como um predicado
Pobre poeta! Tens agora um coração só, ferido, frio e blindado...

Simone Medeiros
30/09/2015
Ilustração: Google


POETIZANDO COM O SIM E O NÃO...




Pouso meus versos na balança do discernimento
Nela meço os prós e os contras em porções iguais
Em equilíbrio visualizo no pensamento os sinais
Na consciência dou o veredito: disfarçes ao intento

Não lamento o sim pelo não, domo as rédeas, subjeção
Faço o que é preciso, dou o martelo do juízo, peço o não.
Não à crueldade, não à mortalidade dos sonhos possíveis
Digo sim à pura realidade, natalidade dos sonhos incríveis

Entre os caminhos do 'sim' e do 'não', há aquele que excede
Natureza que doma o ser que entoa no peito a canção libertária
Íntima do ser que encanta o 'sim' e desacata a natureza arbitrária

Dando à alma o direito de prover-se do 'sim': palavra que sucede
Da liberdade de ir e vir ao reencontro da caneta, singela silhueta
Fluído que enaltece a alma, tecem nos versos o coração d' poeta

Simone Medeiros
06/10/2015
Ilustração: Google


sábado, 3 de outubro de 2015

ENTRE PONTOS E VÍRGULAS...

ENTRE PONTOS E VÍRGULAS...


Há muito o que se dizer e muito mais, a escrever 
E nas entrelinhas entender o que se esconde do saber
Sinônimos velados diversificados entre os pontos finais
Tudo na mesma proporção sem tirar nem pôr os sinais

Reticências pairam no ar; entre aspas no céu, o entardecer
A angústia surge por detrás dos sinais e sangra até morrer
Seca e vira pó, fantasias geram a monotonia do jamais
Pó que se vê através das noites os desencantos dos mortais

Entre o ponto e a vírgula, a indecisão de quem permanece
Entre o querer e o poder de ser feliz ou pelos menos tentar...
Nas reticências e nos pontos interrogativas que na mente tece

Teia de opulências que minh'alma trás da felicidade e reconhece
A liberdade de escolhas; saber entendê-las é unânime optar:
Entre o bem e o mal, equilíbrio entre pontos, vírgulas e prece

Simone Medeiros
03/10/2015
Ilustração: Simone Medeiros

sexta-feira, 25 de setembro de 2015

QUE CALOR É ESSE?


QUE CALOR É ESSE?

Salpicada por toda a pele
Gotículas denotam a carência
Água, sombra e tudo que congele
Refrescar a pele dessa louca ardência

Querências de tudo o que se faz ser água
Mar, piscina de água fria na pele refrigera
Estar debaixo de cachoeiras, suor deságua
Oh, mas que calor é esse que na terra impera?

Quem me dera, ter um lago gelado aqui e agora
Tocar em tudo que refrigera, neve e geada, quem dera!
Com um calor igual a esse, melhor mesmo é rezar

Rezar todos os terços pedir reforço sem demora
Pedir aos santos a grande chuva mas sem ser severa
Que é para refrescar esse poeta que só vive a reclamar.

Simone Medeiros
25/09/2015
Ilustração: Google

segunda-feira, 21 de setembro de 2015

DIA DA ÁRVORE

DIA DA ÁRVORE



21 de Setembro, Dia da Árvore!
É até hilariante pensar que
o ser humano possa ter pensado
Em guardar em apenas um dia do ano
a favor das árvores, dando à elas
um dia especial para lembrarmos, 
de sua importância vital à nossa saúde
e, principalmente, à nossa sobrevivência.
Mas quão somos hipócritas!
Como podemos comemorar o dia de hoje,
quando continuamos a desmatar deliberadamente
as matas virgens, guardadas por anos
com intuito preservativo, protegendo
a natureza indefesa de mãos traiçoeiras?
Hipócritas é o que somos!
Por que não vemos o que somos,
e, não percebemos o que no futuro nos tornaremos...
Dia da Árvore!...
O que realmente estamos comemorando?
A sua beleza, suas sombras frondosas
que nos dão de presente, refrescando-nos do calor?
O que realmente vale para o destino destas pobres árvores?
Mais sombras e água fresca,
ou mais dólares nos cofres alheios, cheios de olhos traiçoeiros a comerem e se lambuzarem de caviar 
arrotando o peixe podre na mesa farta de luxúrias...
Zombeteiros que riem às nossas costas e custas, 
ridicularizando as nossas riquezas,
transformando madeiras em ganância,
de uma minoria que possui muito e ainda quer mais,
enchendo-se os corações orgulhosos e egoístas,
com o fel nas feridas do povo sem chão, comida e guarida...
Retiram o pão da mesa pobre,
transbordam o prato de multinacionais
transformando o Brasil em país sem pais...
Dia da Árvore, não!
Dia da Hipocrisia!
Se continuarmos a derrubar as árvores das matas, 
A danificar e destruir nossas riquezas natas, 
o que será de nossos filhos futuros, geração ficará...
sem ter pão e água, sem ao menos poder dividir
as dores e sofrimentos, serão milhares de irmãos 
órfãos de abrigo, sem pátria e sem direção?
Perdidos estaremos, sem árvores perecemos, sem água morreremos...
Seremos sepultados vivos nos cofres dos bandidos,
governados por líderes sem fé e coração,
tendo em si o ego como leme e o orgulho como pão.
Sai dessa, irmão!
Saiba quem é digno da natureza e, sem tristezas.
Pois, o povo mais fraco é quem paga,
a conta gorda e mal paga, dos bandidos de caras pálidas
dizendo-se bonzinhos de cores outras...
Não são as nossas cores de nosso país,
quando associamos à nossa bandeira: verdes como as matas,
amarelos como o Sol que brilha 
nos olhares do povo são, não...
Somos azuis da cor do céu, limpos de coração.
Somos Brasil, meu irmão!
Somos filhos e irmãos
de uma só e mesma nação!
Só é preciso entender de que precisamos mais de saúde, alimentação e um pouco mais de educação.

Simone Medeiros
21/09/2015
Ilustração: Google

RIMAS MORENAS



RIMAS MORENAS




Era uma vez um mundo deserto 

Em tristes tons de cinza apenas 

Mas foi colorido com rimas e versos 

Em letras pintadas por Son dos Poemas (N) 



Era uma vez um grande Universo 

Com luas e estrelas sozinhas apenas 

Foi quando se ouviu dos Anjos, os versos 

Trovas d'amor e carinhos em rimas morenas (S) 



O mês de Setembro foi o escolhido 

E Dezoito indicado para ser o dia 

Para nascer o verso mais colorido 

E que rimasse amor com poesia (N) 



Dia perfeito para se escrever uma poesia 

Do céu derramam-se versos e amigos poemas 

Parabéns, Sônia, querida e amiga poetisa 

Hoje é o seu dia, dia de alegrias, apenas.. (S) 



(Dueto de Nlc Poesias & Simone Medeiros)


Em homenagem ao aniversário de Sônia Son Dos Poem Gonçalves



domingo, 20 de setembro de 2015

SONETO SINCERO



SONETO SINCERO

Despeço de tuas querências, c'o olhar sereno
Dos momentos vividos, farei deles um abrigo
Na minh'alma guardar-te-ei como velho amigo
Nos pontos e vírgulas, sem mais delongas, enceno

Um soneto sincero, entrelinhas dos versos puros
Audaciosos corações postos em cima de muros
Despedidas levam consigo histórias e loucuras d'amor
Nas reticências, olhares inda não impedem o calor

Perde-se a razão e o juízo para o amor e sedução
Ondas inebriantes d'uma amiga e intensa atração
Queda livre aos adocicados beijos num toque de mão

Não há o ponto final desta química quando dela se atrai
São armadilhas onde o 'não' desconhece a razão e vai
Pra onde o juízo pede abrigo bem distante do coração...

Simone Medeiros
20/09/2015
Ilustração: Google

quinta-feira, 17 de setembro de 2015

CAMINHOS DA PERDIÇÃO



Me perco em 
...suas curvas 
Em suas curvas 
... me perco 

Passeios no tórax 
... à tua boca 
Do tórax à tua boca 
... passeios 

Derreto só de 
...pensar 
De pensar já 
...me derreto 

Tua pele doce 
... e macia 
Pele macia, doce 
...a tua 


Desejos à caminhos 
...da perdição 
Perdição à caminhos 
... dos desejos 


Inesquecíveis e saciados 
....os desejos 
Os desejos, saciados 
... e inesquecíveis 


À flor da pele 
...o desejo aflorado 
aflorado na pele 
... à flor do desejo 


Simone Medeiros 
13/09/2015 
Ilustração: Google


ELAS NÃO MORREM



Eternas flores
... as de plástico
Flores de plástico
... são eternas

Amarelas e vermelhas 
... suas cores 
Cores amarelas ou vermelhas 
... tão suas... 


Morrem jamais 
... tais flores 
Tais flores 
... jamais morrem! 


Aromas não tem 
... vida, persiste 
Na vida persiste 
... não tem aromas... 

Singelas flores 
... eternas cores 
Cores singelas 
... flores eternas 

Elas não morrem! 
... enfeitam a vida 
Só enfeitam a vida, 
... não morrem! 

Simone Medeiros 
17/09/2015 
Ilustração: Simone Medeiros





terça-feira, 15 de setembro de 2015

QUEM SOU EU...

Sou fera ferida e sem medo
Não risco o dia sem nada ter
Na bagagem melhor saber
Que o que vem, vem e vai
Esqueço e lembro o que já foi
Quem sou eu pra dizer que sei
Não apenas amar as pessoas presentes
Quem sou eu para medir
Se no amar há começo e fim
Bom saber na mala levar
O bom querer de tudo ficar
O amor que eu tenho eu te dei
Numa noite sem lua, eu fui tua
Não importa agora o que levo
Só me resta hoje o bem saber
Que no amor fui seu bem querer
E em seus braços, eu confesso
Foi pra mim, o meu melhor perder.

Simone Medeiros
Ilustração: Google

CORAÇÃO BOBO


CORAÇÃO BOBO 

Coração sem você
... enlouqueço!...
Enlouqueço o coração
... com você
.
Bobo fico por ti
... babando
Por ti fico babando
... um bobo!...
.
Beijo sua face 
... e beijos dou
Na sua face
... beijos, beijos!...
.
Bobo coração
Atire-se ...
Tiro bobo
... meu coração por ti.
.

Simone Medeiros


Ilustração: Google

segunda-feira, 14 de setembro de 2015

NO CORREDOR DO TEMPO...

NO CORREDOR DO TEMPO...


Passo silente sobre passos serenos
Do tempo recolho minutos a menos
Silêncio que silencia-me tormentos
Cala-me a fala diante dos momentos


O ponteiro marca o derradeiro tempo
Não viso momentos a favor do tempo
Toques na alma som que não acalma
Gritos que ouço no breu de minh'alma


Corredor do tempo, caminhos d'alforria
Soberba majestade à revelia, meus ais
Aguardando no cais a hora mais tardia


Reencontrar os amigos... antigos cristais
Que também foram um dia meus iguais
À espera de um alento tento, ir em paz...





Simone Medeiros



Ilustração: Google


quinta-feira, 10 de setembro de 2015

ÚNICA...


ÚNICA...

Sem fingimento nem mentiras nem tramas
Desnecessário se faz fluir o artifício audaz
Tua beleza é algo que de longe me seduz
És única em cada espécie, és meu recanto

Silêncio que berra na natureza o seu encanto
Quando na primavera és rainha, puro decanto
Rara beleza, cores e texturas energiza a alma
Poderosa magia que de suas pétalas espalma

Orquídea, és teu nome singelo, porém belo
Traduz aos olhos de muitos a mais querida
Provocando e despertando contradição, duelo

Não importa o quanto dizem, sei que és especial
Iguais a ti há tantas mas és tu a minha preferida
Energiza minh'alma, literal, és para mim vital...

Simone Medeiros


10/09/2015
Fotografia: Simone Medeiros


Simone de Corpo, Alma e Poesias...