sábado, 7 de janeiro de 2017

UM AMOR FLORIDO


"UM AMOR FLORIDO"

Assim vejo o meu coração
Flores a perfumar minha alma
Que antes não encontrava a calma
Hoje ele é amor é emoção...


Encontrei o meu tesouro precioso
Um amor que é forte e glorioso
Tem-se na essência um ser carinhoso
De um valor especial, primoroso

Posso garantir que estou muito feliz
Pois, nele encontrei o que sempre quis
Seremos juntos almas a aprender

O que do amor florido pode ele com seus aromas oferecer
Aprender com seus espinhos sem ao outro machucar
Pois sabemos o quão nos é preciso saber ao outro amar...

(Simone Medeiros)

A imagem pode conter: flor, planta e natureza

ERA UMA VEZ



"ERA UM VEZ..."

Muito distante estava seu coração
Vivia a pobrezinha presa à solidão
Não sabia ela que lá fora existia uma chance
Era um flor solitária sem o amor sem nuance...

Um dia porém, ela já liberta e feliz se recordava
Flor um dia soube sonhar o que era o verdadeiro amor
Sonhava a pobrezinha com seu tão sonhado Beija-Flor
Quimeras lembranças que vez ou outra a atordoava

Deixa-a triste e desesperançada...
O seu dono muito cruel a tinha posto numa redoma
Querendo ser dela seu único dono e ela, tadinha, não dizia nada...

Não poderia pois sabia que se falasse, sua vida a perderia
Foi quando resolveu não exalar mais o seu aroma
Foi assim aos poucos q' ela viveu até conquistar, enfim, sua alforria...

(Simone Medeiros)


sexta-feira, 23 de dezembro de 2016

UM AMOR ALÉM DA VIDA


UM AMOR ALÉM DA VIDA

Assistindo a um filme, um romance
Deparei-me com emocionantes cenas
Perfeitas paisagens plasmadas apenas
Indo ao longe onde a imaginação alcance


Cenários deslumbrantes e tenebrosos
Mentes dispersas tomadas por remorsos
Doentias almas sofredoras nos Umbrais
Retratavam seus medos enquanto carnais

Mas, foi o esposo buscar sua eterna amada
Nos confins do Vale dos Suicidas, ela estava 
Tristeza e melancolia velavam quem ela amava

Havia retirado sua vida enquanto encarnada
O amado fez de tudo para buscá-la no inferno, 
Com fé e coragem resgatou o seu amor eterno

(Simone Medeiros)
A imagem pode conter: 1 pessoa, em pé, árvore, planta, casamento, atividades ao ar livre e natureza

FONTE DE INSPIRAÇÃO




FONTE DE INSPIRAÇÃO

Sempre quando acordo e vejo
No WhatsApp um recado d' amor
Percebo no teu íntimo o meu ensejo
O de te beijar descobrindo teu sabor


Minha boca loucamente quer a sua
E numa mistura louca de desejos
Somos uma só alma vivendo na lua
Paramos o tempo nos infinitos beijos

Fonte dos desejos mais ardentes
O beijo é o começo de toda sedução
Fonte d' inspiração, faíscas da paixão

Num extasiado sexo de amor e loucuras
Vemos-nos mesclar nossa alma e coração
Doce mistura d' essências, amor e procuras...

(Simone Medeiros)
A imagem pode conter: 1 pessoa

O AMOR É UMA SEMENTE


O AMOR É UMA SEMENTE

Desde quando o mundo é mundo
Que o sentimento mais plantado
No planeta de expiação, o fecundo
Sentimento AMOR foi sempre caçado...


Muitos de nossos antepassados
Foram por ele, massacrados
Ditavam da boca profecias sagradas
Mas, muitos conseguiram ceifá-las

A semente do AMOR foi semeada em vão 
Pois, muitos não entenderam o refrão
"AMAI-VOS UNS AOS OUTROS..."
Fizeram deste preceito, doutros...

Dele, erroneamente, nasceram filhos da dor
Souberam eles deturpar o refrão do amor
Inveja, calúnia, poderes, eis no mundo a maldição
Por séculos, não aprenderam ainda a lição...

Infelizmente, AMAR é para poucos seres humanos
Muitos não aprenderam ainda corrigir os defeitos
Que impregnados, enraizados, atos insanos
Que do Homem insiste ser o melhor dos conceitos

AMAR é muito mais do que o sentido do preceito
AMAR é deliberadamente, desprender-se do apego
Libertar-se dos seus medos, enredos criados no ego
Ego q' dilacera a semente do amor, dentro do peito...

(Simone Medeiros)

A imagem pode conter: planta, natureza e atividades ao ar livre

SEJAMOS NÓS UM ABRIGO


SEJAMOS NÓS UM ABRIGO

A natureza é tão clara 
Linguagem simples, natural
Diz apenas por gestos
O que precisa ser mundial


Choro é fonte de aprendiz
Remendos que a alma é capaz
Abrigos somos, simplesmente
Basta de nós exercer a paz

Paz que acalma, literalmente
A alma de muitos que rogam
Amigos ombros, cura somente
Ajeitando cacos q' se quebram

Por palavras duras, feito pedras
No coração do outro, ofendido
Polvilhar no caminho boas medras
É compadecer-se com teu futuro

É ter com ele a paz q' tanto é preciso
Deitar em solo fértil, tua semente
Deixar de ser tão demente e ser gente
Fazendo deste mundo u' novo paraíso...

(Simone Medeiros)
A imagem pode conter: atividades ao ar livre e natureza

ENCANTAMENTO

ENCANTAMENTO

Dos dedos saíram faíscas de desejos
Trêmulas sentiram o brotar do sentimento
Enaltecer os momentos nos versos sem pejos
Tranquilidade,.. é esta a sensação do vento...

Encantamento é a nova sensação que da flor 
Exibe um doce perfume exalando-se sedução
Acasalamento de pensamentos, o súbito amor
Que dissertam nos versos tuas rimas coração

Poesias geram das letras encantadas, d' uma flor
Com as folhas ao vento vou levando o meu intento
De o de buscar contentamento, abraçar o momento
Não perdê-la jamais, tê-la no jardim, u' eterno amor...

(Simone Medeiros)
A imagem pode conter: natureza e atividades ao ar livre

SOLIDARIEDADE

SOLIDARIEDADE

Palavra linda de conteúdo excepcional
No homem é virtude, o torna especial
Na sociedade d' amor carente, se faz vital
Na vida, no mundo das criaturas, essencial

Para que a tua jornada seja menos dorida
Solidário é um sentimento nobre, generoso
Com carinho e amor semeiam a vida
Praticando-o terás a Luz do Todo-Poderoso

Semeará lindos frutos na humanidade
Serás no futuro um mundo melhor, com mais amor
Guardas sempre no teu íntimo esta verdade
Que amor gera amor, e sem ele tudo germina em dor...

Solidariedade não pode ser visto sem este sentimento
O do AMOR que consolida, solidifica tudo o que é do bem
Fazendo sua parte, o mundo a ti só agradece, o teu intento
E verás, no futuro, teus frutos colhidos do bom sabor, além...

(Simone Medeiros)
A imagem pode conter: planta, flor, atividades ao ar livre e natureza




O PRIMEIRO INSTANTE

O PRIMEIRO INSTANTE

Tudo pode nele nascer
Vida breve ou não ali não perecer
O olhar primeiro da criatura
Garante ao seu futuro o bem conviver

Em todo o mundo em que a humanidade
Encontram olhares indefesos
Espreitam sentimentos desconhecidos, 
A mão do Homem ditando erroneamente a felicidade

De um olhar, pode-se fazer crescer
Um sorriso amigo, ou bem mais que isso
Um sorriso envenenado, do mal, submisso
Pode o Homem gerar intrigas, ódio e nele morrer

O ódio gratuito pode fazer-se brotar espontaneamente
Mas, temos todos uma escolha a acertar
Com o que estamos prestes a passar,
Resta-nos apenas, o livre arbítrio, de sermos somente

O que de mais precioso foi-nos ensinado
O que mais me surpreende é que de todos saiam esse preceito
Mas, nem todos são capazes de praticar o feito...
Por deixar em si, raízes profundas do mal aprendizado

Roga-se da boca do Homem, amor, paz e caridade
Mas, esquecem-se muitos de praticá-los com os seus, também
No lar, no campo de trabalho, labuta se faz tão bem
Ter-se com o inimigo o querer ser dele, também, um amigo

Que cesse ali, todos os infortúnios causados pelas tuas mãos
Que ceifados os amargos frutos da calúnia, inveja e traição
Posto que amor é chama que deve sempre aquecer teu coração
Saiba que somente por ti, terás a chance de na terra ser feliz...

(Simone Medeiros)
Nenhum texto alternativo automático disponível.

terça-feira, 11 de outubro de 2016

TENEBROSO TEMPO



tudo tem trajetória
tudo tão transitório
tudo tende turbilhão
turbilhão tanto teme
tédio tripudia tempo
tempestade tolhe tolo
tentação tenaz tendência
transgredindo tua tenência
tenebroso tino terráqueo
teima temperança terrena
tente tecer teoria
teu tino tentativa tesouro
trajetória tênue terá
transitório tédio 
teu tempo tolherá...


(Simone Medeiros)

SANDUÍCHE



de amor com paixão
combinação perfeita
sanduíche pão tesão


(Simone Medeiros)

OUTUBRO


seja luz a todo instante
que é pra iluminar os dias
e as noites do ser pensante...


(Simone Medeiros)

DO TEMPO


do tempo fica a mágoa
nas ondas das lembranças
o a(mar) por si deságua...


(Simone Medeiros)

ANJO AMIGO



voejas num poema comigo
curarei as tuas asas
reencontrarás um anjo amigo


(Simone Medeiros)

MÁ MENTE





muita mente mente
mesmas mentes morrem
mentes maléficas matam
muitas mentes mães
mães missões magistrais
meus meninos manchados
muitas mãos matam
morte mistura-se mais, mais...
morte má?
mente mercenária má
manipuladas mãos medíocres
manipulam medo mentindo
mascarados mísseis
mortalhas moem-se moinho
mentes morrem massacradas
matam meu mundo
muitos mais morrerão
mendigando mais marchas
mediar mudança
mentes menos menosprezíveis
mostrando mundo melhor...


(Simone Medeiros)

O CIÚME




O ciúme é u'a gaiola construída
Não se prende ou se impede
Do amor viver sua própria vida...


(Simone Medeiros)


DISSIPANDO AS MÁGOAS


ligeira abri as asas ao além
num sentido que desconheço
voei até n' sentir mais ninguém...


(Simone Medeiros)

QUAL O PREÇO DO AMOR?




O amor não tem preço, não é, poeta?
E quando tem, paga-se um preço e tanto...
Seja para nele ficar ou dele sair...
Mas, qual o sentido de seu espanto?
O amor é isso... complexo ou simples...
Ou,... complexo e simples ao mesmo tempo.
Porém, não tem mesmo pra ele um preço.
E, quando o tem...
Ah, uma complicada história!
Ele por si, não se coloca a venda...
Mas, somos nós, seres insanos
Que damos cordas para os desenganos...
Restam-nos somente dele, os 'danos'...
Pois, sim...
Dias e noites de total tortura,
Que mais parece aos olhos alheios, loucura!
Mas, se o amor não tem um preço,
Por que o título indica um valor?
Ah, poeta!...
Fim da linha no amor, fique esperta!
Tem sempre alguém que perde...
Ou por causa dele, se perde...
Perde-se nas loucuras que fez 'por amor'
Perde-se do quanto se dedicou-se para ele...
Totalmente! E, fatalmente, você é o único perdedor...
O 'preço pago' é metáfora aos nossos ais
De tudo o que se imagina, por amor, você faz...
Por que?
Simples.
Ele, o amor, é às vezes, traiçoeiro...
Ele mesmo, por vezes,
Nos faz de repente, loucos e cegos!
Cegos??? E, loucos???
Sim. Exatamente, sem tirar a venda hora nenhuma!
E aí, poeta... Lascou-se!
Quando você abre os olhos,
Sua conta está altíssima por conta 'desse amor'
E sempre, (raríssimas exceções)
Um de nós 'desgastamos' por demais
Mais até do que o outro,
Que se vai... e quem fica, se esvai...
(raro não acontecer)
Mas, acontece. Milagres não acontecem por aí?
E porque não poderia acontecer o mesmo
Com o amor, não é poeta?
Poeta que se preza, paga o preço que for.
Por que?
Porque ele é romântico, sonhador...
E, acredita, que em perder ou ganhar a partida
Do 'jogo amor', o melhor mesmo
É ser neste fim, o perdedor,
Àquele que foi pelo amor abandonado...
Por que?
Porque ele sempre encontrará outro melhor ainda..
O outro, quem ganha, (Ledo engano!..)
(Risos sarcásticos...)
O que acontece?
Ah, poeta!
Fica dando murros nas pontas das facas!
Anos a fio... Se cortando e se costurando...
Por que?
Porque nesta vida de meu Deus, só paga a conta
Aquele que deve, e nem sempre o perdedor
É o pato que paga toda essa conta,
No final de sua vida, na trajetória escrita,
Chamada popularmente,
De o 'Livro da Vida', é você, e ninguém mais,
Quem escreve e decide, qual será o destino
Pro fim do seu livro.... o final feliz, fica por conta
Das noites em claro
Que você deixou-se do amor, cuidá-lo...
Um tempo longínquo
Onde a história registrou-se na memória
Sua falta de sinceridade para com o amor...
Que é a base e o alicerce de toda amizade, o amor...
E, por falar de amor, todo mundo sabe, que ele nasce
Do primeiro olhar, do primeiro toque de peles...
Da primeira troca de olhares...
Ou quem sabe,
Num afetuoso e inocente beijo
de seu melhor amigo...

(Simone Medeiros)

VOZ D' VELUDO




Foi assim que ouvi ressoar nos meus ouvidos
Entre carinhos trocados por palavras doces
Senti os desejos tocarem-me de leve os sentidos
Despertando na pele, sentimentos precoces...

Tua voz explorando o meu avesso poético
Ditando as rimas de um poema sexy e eclético
Foi no despertar desta simbiose de sentimentos
Que me perdi nua no compasso dos batimentos

Voz d' veludo tua q' com seu charme e destreza
Soube sorver sua presa com doses d' ternura
Despindo-me a inocência, sentindo na pele a certeza
D' que depois desta noite, n' mais serei tão imatura...

(Simone Medeiros)

domingo, 18 de setembro de 2016

ÁGUA NA BOCA



Eu na boca fiquei
Teu cheiro gostoso senti
Saudades louca da tua boca
Na minha, loucura ardente
Na pele o calor inconsequente
Não mente...
Inda sou louca por ti,
Perdidamente...

(Simone Medeiros)

Resultado de imagem para casal sensual

PRECIOSO TEMPO



Como na ampulheta
A areia acusa o tempo, tesouro perdido
Na vida, há os vínculos ao tempo retido
Na vida é a maior riqueza
Uma certeza é o tempo ser precioso
Os anos passam, há rugas no rosto 
Há na alma, erros que decifram o desgosto
Do tempo ido sem ter tido
Aproveitado bem o tempo
Pena, não ter dado o devido valor
Pena, não ter tido no tempo um amor
Que o fizesse enxergar
Que o fizesse encarar
Que o fizesse amar
Sem amarras
Sem algemas
Sem dilemas
Poderia ter lido mais poemas
Aprender mais com seus temas
Que o tempo é gracioso poeta,
Que escreve a vida com a caneta da alma
Que abraça o mundo e te acalma
Tranquiliza a sua mente
Te faz ser mais presente
No teu seio, consciente
Te faz ser no meio, ser mais gente
Um ser proativo, ser sábio, e aprender
Que só o tempo constrói
Aquilo que sua mente de ti não destrói...

(Simone Medeiros)

PRELÚDIO DE UM TEMPO CALADO...

O Silêncio se foi, e o amor também...
Ambos ficamos no tempo perdidos, 
poemas algemados, sentimentos calados 
num tempo sem fim,
aguardando o silêncio ser então, amado... 

(Simone Medeiros)

SE SONHAR É VIVER...



Vivo num mundo dos sonhos
Onde tudo é mágico, perfeito
Procuro um sonho pra mim
Que me 'pegue de jeito'
Me dê um abraço apertado
Que me diz um 'eu te amo'
Sussurrando promessas sinceras
E que me faça feliz
Pelo simples fato de sentir
Na pele um sonho d' amor 
E pelas minhas mãos 
Prometo não deixar 
Nos meus versos, nos meus poemas, 
Um sonho tão lindo assim, 
Do amor se esquecer...


(Simone Medeiros)

O SILÊNCIO DO SENTIMENTO



Num momento de silêncio
A noite foi se tornando sombria e fria
Lá fora, a tristeza balbucia
'Terás o teu lugar sozinho a vagar'
Olhares frios e o coração ardia
O Sentimento, embora havia escrito 
A sua angústia num poema,
Lá, descreveu ele ao Silêncio
Todos os seus dilemas em um só tema
E o Silêncio enquanto lia, pressentia
O fim de um romance inesperado
E no meio daquele vazio, 
Sentiu-se desesperado
Logo pra sempre ficariam
Separados pelas latentes palavras
Aladas não mais seriam
Prosas, versos entre suas rimas
Já era tarde, e o Silêncio sabia
Que não seria ele a ceder
Que esperaria o tempo que fosse
Mas, com amor ele o acolheria
Sentimento ficou endurecido
A tristeza, ficou por conta do Silêncio
Que o Sentimento jamais o saberia
Que por ele, amor sentia...


(Simone Medeiros)

UM POEMA CURA(DOR)


Trago nesta estrofe, um poema curador
Despedidas voam juntos c'os pássaros
Em busca d' uma inspiração do paraíso
Voejam-se pelo céu, os pássaros raros
Inspiram-me estas rimas e, num sorriso,
Minh'alma vibra c' a beleza do benfeitor

(Simone Medeiros)

APARÊNCIAS...



Nem sempre são reais
Deturpam a mente dos normais


Aparências...
Rege toda uma ciência
Escrever certo por linhas tortas
São as aparências várias portas

Ilusão sente na pele a ausência
Face perfeita nos olhos mal agouro
Coração dos tolos, impuro ouro
Imperfeição inata nas ações
Destruindo com mentiras corações

Aparências, engana-me!
Diga-me o quão não mentes a teu respeito.
Diga-me quais são os meus direitos
Menos o de não julgá-lo sobre meu preceito
Sei de que sou só mais uma diversão
A cair nas tuas tramas de ilusão...

(Simone Medeiros)

quarta-feira, 7 de setembro de 2016

SOZINHO NA CHUVA




Tristes meus olhos ficaram
Ao ler o seu recado deixado
Sobre a mesa e a vela acesa 
Os sonhos sozinhos finaram

Nas entrelinhas escrita na carta
Disseram ser eu um pacato
A carta foi rasgada na mesa
Quando li que de mim está farta

Ó coração amolecido!
Inda guardas na parede o retrato
Da danada q' tirou-lhe da vida a clareza
Daquela que um dia te chamou de querido!

Pobre de mim, pacato poeta!
Vivo na penumbra do amor ingrato
Vislumbro o cair da chuva, única beleza
Remendando os cacos d'uma mente inquieta...


(Simone Medeiros)

segunda-feira, 5 de setembro de 2016

SAUDADES EXISTEM...

"SAUDADES EXISTEM..."

Pra nos fazer recordar
Dos bons momentos, voltar 
Na face, uma lágrima a rolar
No coração, a sensação de gritar
Bem alto, como fosse possível faze-la cessar
Presença marcante, amigo e amante
Das artes, da vida, do dividir amor entre amigos
Saudades, existem...
E o poeta insiste que elas existem
Pra gente poetizar,
Nos versos, as saudades fazem de conta
Que tudo o que foi vivido um dia possa, 
Sair do coração do poeta os versos saudosos,
Curadores que, transformados em poemas
Possam na nossa alma,
Às saudades, abrandar...

(Simone Medeiros)

DE QUEM É A CULPA???


Não custa assumirmos e repensar 

sobre nosso excesso de fofura...

Basta apenas, por na balança 
o que é doçura e o que é loucura...

Loucura, é o de comer mil doces 
de uma só vez, pura insensatez!

E a doçura, é o de experimentar 
um pequena quantidade, 

da nossa estúpida gula...

(Simone Medeiros)

REFLEXO D'ALMA




REFLEXO D'ALMA



Sei que a fantasia pode ser remédio à realidade
Pois no espelho vejo minh'alma se perder no vazio
Nas lembranças tuas, amigo, quanta saudade!
Loucuras que fizemos, vivendo a vida por um fio...


Foram tantos os encontros e desencontros na vida

Situações nos separaram, divorciamos num tempo
Mas tarde fui a te procurar, te encontrando sem vida...
Minh'alma sentiu um gosto amargo, foi-se no tempo...



E hoje, sinto de ti saudades, queria ter me despedido
O último abraço apertado, dizer que eu te amo muito... 
Te amei desde o primeiro momento vivido...
Queria q' minh'alma o revesse no céu, no intuito



De o te abraçar, reatar o enlace, te oferecer abrigo
Afinal, vivemos aqui na terra u'a amizade verdadeira
Sei que você se foi, e eu aqui na terra inda prossigo
Sob minhas intuições, atual amiga, fiel e conselheira...



(Simone Medeiros)


sábado, 3 de setembro de 2016

AMIZADE E POESIA


"AMIZADE E POESIA"


Somos uma numa só amizade

Somos pureza, amor e lealdade

Somos amigas das poesias

A fada e a varinha das fantasias... (S)



Somos assim, amigas

Irmãs e companheiras

Um presente que me deu a vida

Essa amizade tão verdadeira!! (N)



(Simone Medeiros & NLC Poesias)


À Flor da Pele de Simone à Poesia

Simone de Corpo, Alma e Poesias...